Tratando Sobre Inadimplência e a Saúde Financeira de Uma Empresa

Qual a relação entre inadimplência e saúde financeira empresarial?

A inadimplência é um problema que assola a vida de milhares de brasileiros. As dívidas em atraso trazem uma série de desvantagens, sendo a mais notável, a perda do crédito. No entanto, esse número crescente de endividados ultrapassou a barreira das pessoas físicas e a inadimplência empresarial se tornou comum.

A crise econômica e a retração do consumo são algumas das principais causas desses problemas. Qual é, porém, o real impacto dessa situação para a saúde financeira empresarial? A seguir, seguem algumas das principais consequências desse quadro para uma organização.

• Falta de pagamento de clientes

Primeira apontada pelas instituições como a principal causa de uma possível inadimplência empresarial. Muitas acreditam que o simples fato de não receberem dos clientes as leva ao desligamento de suas obrigações. No entanto, o problema é maior do que parece e está atrelado diretamente a um aspecto negligenciado por parte delas: o planejamento.
Apesar da turbulência que o mercado, especialmente o de Nova Serrana tem atravessado nos últimos anos, muitos empreendimentos contraem dívidas com as quais não estão preparados para lidar. Consequentemente, isso afeta todos os envolvidos no ciclo: dos fornecedores aos clientes da empresa.

É importante se planejar para isso e pautar estes contratempos, especialmente nas estratégias utilizadas para o gerenciamento de imprevistos e também no grau de risco que cada cliente apresenta para o negócio. Isso faz que os gestores acabem tendo de tomar atitudes mais drásticas justamente quando o problema já se tornou mais grave.

Por esse motivo, a primeira atitude deve ser a criação de políticas mais firmes com relação a clientes em atraso, bem como um controle de fluxo comercial mais ostensivo.

• Prejudica a fidelização de clientes

A inadimplência afeta todo o ciclo da cadeia comercial. Um dos atingidos é o cliente: afina, se ele passa a comprar menos e a pagar as dívidas com atraso, isso faz que a empresa não só fique inadimplente, como sofra impactos no processo de captação de consumidores, deixando de fidelizá-los.

O cliente que não tem como quitar suas dívidas e começa a acumular juros, não só deixa de comprar como pode até procurar outro fornecedor. Diante disso, para minimizar esses efeitos, uma das primeiras ações da organização deve ser entender o que causou o não pagamento do débito.

Conhecer o problema do consumidor e demonstrar proatividade para ajudá-lo a solucionar o atraso, sem que para isso ele se sinta constrangido com as cobranças, é a melhor opção. Isso faz que ele sinta mais confiança na companhia e consiga negociar as dívidas.

Aliás, vale ressaltar que nesse aspecto, a organização pode e deve atuar rumo ao acordo. Para isso, pode, por exemplo, oferecer descontos para pagamentos à vista, melhores condições para a quitação da dívida e outras opções semelhantes.

• Compromete a obtenção de lucro

Uma empresa não sobrevive apenas do pagamento de dívidas, ela precisa de dinheiro para investir em inovação e desenvolvimento a fim de crescer (e se destacar) no mercado. Quando a instituição se encontra inadimplente, sua capacidade de obtenção de lucro acaba seriamente comprometida.

Por isso, ela deve procurar a negociar as dívidas (com devido planejamento para que essas sejam realmente quitadas) para voltar pelo menos a ter algum dinheiro circulando até que o negócio se restabeleça completamente. No entanto, é preciso levar sempre em consideração os juros embutidos nessa ação, visto que ao final eles podem ocasionar uma dívida ainda maior para a companhia.

Na próxima semana, continuaremos a falar sobre a relação entre inadimplência e a saúde financeira de uma empresa. Esse material pode ser útil para mais alguém que você conhece?  Você pode encaminhar este e-mail ou convidar para também assinar nossa newsletter pelo seguinte link: http://eepurl.com/deMSLb, enviamos conteúdo semelhante sobre a rotina empresarial, voltada especificamente para nosso pólo.

Referência Bibliográfica: Comércio em Ação (CDL Belo Horizonte)

Deixe uma resposta